segunda-feira, 4 de abril de 2011

Sem saber

Eu disse que não sabia o que fazer. Sentei na escada de costas para o vento, deixando a franja cobrir meus olhos. Eu realmente não sabia o que fazer. Eu queria falar, ms não tinha mais o que dizer - ou tinha medo.
Olhei para o chão, cheio de terra, cheio de marcas de pés. Fiquei olhando. Olhei até que nada mais consegui ver. Tentei levantar mas tinha esquecido como, então continuei do jeito que estava, com os cabelos na cara sem enxergar. Continuei do jeito que estava até que ele se irritou comigo. Se irritou com a minha preguiça, com a minha falta de vontade.
Ele me mandou sair dali, mas eu não queria, eu não sabia para onde ir. Ele continuou falando, mas eu não conseguia mais ouvir - ou eu não queria.
Eu vi a luz da rua acender. Nem vi quando o céu apagou. Ele deve ter visto, mas eu não vi.
A escada é de todo mundo, não sei porque ele me manda sair. Não tenho mais paciência para perguntar - ou talvez me falte a voz - e ele também não se incomoda em me explicar. Eu continuo sem saber, e continuo ali.
O frio começa a me incomodar, ele está de casaco e se recusa a me emprestar, talvez eu devesse mesmo sair dali. Ele acha que saí porque ele mandou, tentei dizer que foi o frio, mas ele não acreditou - ou não me ouviu.
Saí. Logo depois quis voltar, mas não me lembrava como e ele não quis me ensinar. E foi embora. Foi embora sem me ajudar.
Fiquei sozinha, agora de frente para o vento, com os cabelos voando e as bochechas rosadas pelo frio. Queria que alguém estivesse ali, mas não sabia quem chamar - ou esqueci. Então fiquei ali, esperando alguém passar. E continuo esperando. Estou cansada de esperar.

6 comentários:

  1. Gosto dos teus textos :)

    ResponderExcluir
  2. entro aqui com a garantia que eu vou ler só coisa boa. :)
    gosto do jeito que escreve.
    até parece que eu te conheço.
    enfim..
    <3

    ResponderExcluir
  3. e quanto mais se espera mais se percebe que não há pelo que esperar. quanto mais se espera mais vontade sente-se de que um dos que vão passar possam nos achar, simplesmente pelo inocente motivo de que estavam a nos procurar.

    gostei daqui, voltarei sempre que puder, tazendo o que há de melhor na mochila.

    um beijo,

    L.

    ResponderExcluir
  4. Maravilha que vc escreve e maravilha esperar. Esperando , esperando e não cansando... virá... Se ele se cansou de sua preguiça, deixa a preguiça ir embora, joga a preguiça fora que vai valer a pena.
    Vc sabe escrever, tem potencial e é vc. Parabéns! Votarei para ler vc

    ResponderExcluir
  5. Aproveite essa sensibilidade que vc tanto procura esconder , espere com o coração atento para a preguiça ir embora e seu coração ficar aberto e alerta.
    Nada foge de vc, nada se esconde e nada se esquiva, nada a rejeita. Vc sim, pelo que leio e a observo, vc sim, se esquiva , se critica, se se esquece...., se afasta...se tudo
    vai em frente.... Parabéns pela escrita e agradecimentos pela escritora que vc é, proporcionando ssa leitura porreta....

    ResponderExcluir